Ação contra a dengue recolhe 5 toneladas de resíduos no Parque Industrial

Por Redação 19/05/2022 - 13:47 hs
Foto: Assessoria

Cerca de cinco toneladas de resíduos diversos, entre os quais materiais que poderiam se tornar criadouros do mosquito Aedes aegypti, foram recolhidos das vias públicas do Parque Industrial nessa terça-feira (17). A ação é parte da estratégia da Secretaria Municipal de Saúde para combater o avanço da dengue naquela região, que registrou o maior índice de infestação predial de acordo com o último Levantamento de Índice Rápido para o Aedes aegypti (Liraa), realizado pelo Serviço de Vigilância em Saúde Ambiental.

Além do Industrial, a região contempla os moradores dos jardins Alto da Glória, Pimentel e Arco-Íris. Embora poucos casos da doença tenham sido registrados no local, o alto índice de infestação por larvas do mosquito levantou a bandeira de alerta. A infestação predial atingiu 5,9% dos imóveis daquela região, o maior índice da cidade (a média geral foi de 2,3%).

Na semana passada os agentes visitaram os imóveis do bairro para orientar os moradores. No trabalho de campo foi solicitado à população o reforço nos cuidados para eliminar focos do mosquito, que costumam se formar em recipientes que acumulam água parada. “A conscientização é importante porque a limpeza e organização do quintal é responsabilidade de cada morador. Os agentes vistoriam e fiscalizam periodicamente, mas o cuidado precisa ser diário”, alerta a coordenadora da Vigilância Ambiental, Renata Luzia Ferreira.

Na terça-feira uma equipe da Secretaria Municipal de Serviços Públicos percorreu o Industrial e bairros próximos com caminhão para retirar os resíduos descartados nas calçadas pela população. Pela manhã foram recolhidos 1.470 quilose e à tarde mais 3.500 quilos de materiais diversos, incluindo móveis velhos e eletrodomésticos inservíveis.

O trabalho dos agentes deve continuar nos outros bairros que também registraram alto índice de infestação, como as regiões das UBS Sonho Meu (4,8%), Lisboa (4,7%), Panorama (4,2%) e Guarani/Anchieta (3,4%). Por localidade, os maiores índices surgiram na Igreja São Paulo (19,2%), Colégio Souza Naves (12%), Alto São Francisco (10,7%), Alto da Glória (9,1%) e Jardim Império do Sol (8,1%).

Na última semana, o boletim de acompanhamento da dengue em Umuarama indicou que o acumulado do ano epidemiológico já chega a 609 casos positivos, dentre as 1.400 notificações. A cidade tem oito unidades de saúde em surto da doença (Centro de Saúde Escola, Jardim Cruzeiro, Guarani/Anchieta, Jardim Panorama, Posto de Saúde Central, 26 de Junho, Jardim União e Conjunto Habitacional Sonho Meu, além de Vila Nova Jerusalém). Outras oito UBS estão em situação de alerta.

Principais dúvidas sobre a dengue

Como a pessoa reconhece o mosquito Aedes aegypti? Ele apresenta corpo escuro com listras brancas e tem costuma picar durante o dia.

Como a população pode ajudar? Eliminando criadouros tanto em casa como no local de trabalho, dando destinação adequada ao lixo, inservíveis e recicláveis. Eliminar qualquer recipiente que possa acumular água, por menor que seja.

Quais os criadouros mais comuns do mosquito? Pneus, calhas, vasos, pratos de vasos, garrafas, caixas d’água sem tampa ou com a tampa quebrada, latas, lonas ou plásticos, ralos, piscinas sem tratamento, banheiros em desuso, cisternas sem vedação adequada e recipientes.

Uma pessoa infectada pode passar a doença para outra? Não há transmissão direta, nem por fontes de água, alimento ou uso de objetos pessoais do doente. A transmissão só ocorre com a picada do mosquito infectado.

Quais são os principais sintomas? Febre alta (acima de 38,5ºC), dores musculares, dor ao movimentar os olhos, mal-estar, falta de apetite, dor de cabeça e manchas vermelhas no corpo. Pode ocorrer dor abdominal intensa, vômito persistente, tontura, diminuição da urina e cansaço.

Em quanto tempo os sintomas aparecem? De 3 a 15 dias após a picada do mosquito infectado.

Como distinguir a dengue de outras doenças febris como a gripe? As condições são parecidas, entretanto a dengue não apresenta sintomas respiratórios como coriza (nariz escorrendo), obstrução nasal (nariz entupido) ou tosse. Logo que iniciem os sintomas, o paciente deve procurar o médico.

Por que algumas pessoas desenvolvem a forma grave da dengue? A maioria dos casos evolui para a cura, mas algumas pessoas podem desenvolver as formas graves pela predisposição individual, nos portadores de outras comorbidades, crianças, idosos e gestantes, ou se a pessoa infectar-se por outro sorotipo.

Colocar água sanitária na água ajuda a evitar as larvas? Não. A única maneira de evitar a proliferação do mosquito é a eliminação e remoção de depósitos de água.

Veja mais informações em www.dengue.pr.gov.br.