Educação Empreendedora é currículo permanente nas escolas de Santa Helena

Programa desenvolvido em parceria com o Sebrae/PR incluiu a educação empreendedora na grade curricular da rede municipal de educação

Por Redação 09/04/2021 - 18:09 hs
Foto: Reprodução

Era 2014 quando a coordenadora Pedagógica da Secretaria Municipal de Educação e Cultura, Sandra Hippler, teve o primeiro contato com o Programa de Educação Empreendedora, desenvolvido pelo Sebrae/PR. Na época, a Rede Municipal de Ensino de Santa Helena, região oeste do Paraná, estava iniciando um processo de inclusão do projeto nas escolas por intermédio do Parecer Complementar de Legalidade da Proposta Pedagógica Nº 07/2014-EP, emitido pelo Núcleo Regional de Educação. Era o primeiro passo para uma grande mudança que estava começando.

“Em 2016, o município de Santa Helena já realizava a parceria com o Sebrae. Na época, atuava como professora. Ministrei aulas da disciplina e participei de uma formação realizada para apresentar o JEPP – Jovens Empreendedores Primeiros Passos”, relembra Sandra.

Já nesta fase, a professora percebeu que a temática era irreversível e necessária. Segundo ela, os conteúdos ministrados eram adaptados às idades dos alunos; os professores que participam das formações continuadas e das assessorias pedagógicas, expandiram o olhar sobre as potencialidades de cada estudante e os conteúdos tornavam a aprendizagem significativa por envolver situações da vida real, estimulando o protagonismo e práticas sustentáveis.

“É uma iniciativa importante porque também aproxima os pais da escola através da participação em feiras de empreendedorismo e porque os alunos disseminam o empreendedorismo. Desenvolvendo o hábito de planejar, exercitam o relacionamento pessoal e promovem o trabalho colaborativo”, enumera a coordenadora.

Esses apontamentos, segundo a consultora do Sebrae/PR, Elisângela Rosa, não são por acaso. O empreendedorismo, de acordo com ela, vai muito além da ideia de ser empreendedor ou ter um negócio e abrange uma série de habilidades, comportamentos e ensinos que beneficiam toda a comunidade escolar.

“Quando, ainda em 2014, começamos os trabalhos de implantação da Educação Empreendedora em Santa Helena e outros municípios da região, reforçamos muito a noção de que não iríamos trabalhar com negócios, mas sim com comportamento. Entre 2015 e 2016, os próprios professores conseguiram identificar as mudanças oportunizadas por esse Programa e a Secretaria de Educação começou um trabalho muito intenso no sentido de transformar o projeto em uma disciplina que atendesse aos critérios da Base Nacional Comum Curricular”, reforça Elisângela.

Nesse sentido, habilidades como planejamento, busca de informação, reforço da iniciativa e da autoconfiança e gestão passaram a ser trabalhadas por meio de projetos integradores que contextualizam a realidade com a prática. É o que afirma a professora Karina Pereira, de Santa Helena.

“O ensino de empreendedorismo estimula os alunos a buscar oportunidades de solução de problemas, assumir responsabilidades e entender que para ter sucesso, é preciso dedicação. A partir do momento em que as crianças compreenderam que precisamos estabelecer objetivos e metas no dia a dia, perceberam também a necessidade da dedicação e responsabilidade para atingir esses objetivos”, enaltece a professora.

Hoje, o trabalho realizado em Santa Helena, que incorporou o empreendedorismo para muito além de um projeto complementar e atingiu mais de 3,4 mil crianças do ensino fundamental desde 2016, é modelo. Segundo Elisângela Rosa, o objetivo é mostrar os benefícios obtidos a partir da educação empreendedora na rede municipal e incentivar a replicação da iniciativa que, a partir do momento em que se torna uma disciplina, é permanente e garante que todos os alunos tenham contato com o tema.

“Queremos conscientizar de que trabalhar empreendedorismo na escola é uma política pública. Tornar esse ensino acessível aos alunos faz com que gestores públicos plantem sementinhas do comportamento empreendedor para colher futuramente. É um trabalho complexo que reflete de forma positiva em toda a sociedade”, conclui Elisângela.

No Paraná, muitos municípios têm a educação empreendedora aplicada em parceria com o Sebrae/PR. Na região oeste, Santa Helena e Tupãssi incluíram o empreendedorismo na grade curricular obrigatória da rede municipal. Mais informações estão disponíveis em www.sebraepr.com.br/servicos/educacao-empreendedora/.

Assessoria