12 tendências de decoração e arquitetura que vão bombar em 2020

Convocamos arquitetos de designers de interiores para explicar as tendências que formarão o novo retrato da década

Por Redação 13/02/2020 - 16:42 hs
Foto: Pinterest

Viradas de década, geralmente, marcam uma transformação ligeira de cenários. Não é à toa que ao falar dos anos 1950, 1960, 1970 e 1980, imagens muito distintas se formam na mente. Apesar de acontecer de forma orgânica, o sucesso de determinadas tendências forma retratos da vida em um determinado período. Para você já imaginar como será a foto do ano de 2020, convocamos arquitetos e designers de interirores para explicar quais tendências de decoração e arquitetura vão bombar nos próximos meses ou até anos.

1. Ambientes monocromáticos 



Escolha uma cor e desmembre-a em vários tons. Essa técnica estará com tudo em 2020, segundo o arquiteto Edgar Sacchi. "Além de moderno, o efeito monocromático tem um quê de fantasioso e surreal que garante uma atmosfera fora dos padrões e cheia de estilo".

2. Mix de estampas geométricas e colagens nas paredes



"As formas geométricas estão presentes na arquitetura há décadas nos tapetessofás e revestimentos. Mas em 2020, o mix de formas geométricas retorna com cores e estampas mais ousadas, atingindo um público menos conservador", aponta Edgar. Vale apostar em azulejos estampados e até em jogos entre os móveis. "O mesmo acontece com as colagens, que aplicadas de forma harmoniosa, tornam o ambiente mais ousado e sofisticado", completa o arquiteto.

3. Azulejos coloridos



Ainda dentro da tendência geométrica, os azulejos se tornarm protegonistas do décor. 
"Os azulejos geométricos podem ser usados com mescla de estilo. Para um ambiente com o estilo moderno, podemos aplicar de forma harmoniosa azulejos retrô em áreas específicas, como uma única parede, acima da bancada da pia ou até mesmo em uma faixa no piso, sem agredir o estilo predominante", aconselha Edgar.

3. Baixa do minimalismo



O "menos é mais" tem saído de cena cada vez mais. Ainda que seja difícil eliminá-lo do panorama decorativo, devido a sua versatilidade, o minimalismo tem dado lugar a peças com maior personalidade e menos regras."Hoje, estamos usando na decoração o estilo moderno e contemporâneo, captando sempre o estilo e o perfil do cliente, trazendo mais personalidade. A ideia é brincar com uma cor que o cliente gosta, trazer referências de viagens, do livro preferido, da comida", afirma a designer de interiores Giseli Koraicho, da Infinity Spaces. Ela também destaca que isso dá mais exclusividade ao projeto e acaba indo contra ao minimalismo sóbrio.

"O estilo minimalista faz as pessoas seguirem regras: poucos móveis, linhas retas, poucos objetos, as cores sóbrias... Hoje, as pessoas querem adaptar os espaços a elas, já que descobriram e entenderam que não precisam ser refém de um estilo", concorda Erika Mello, arquiteta que comanda o escritório Andrade & Mello Arquitetura, junto ao sócio, o arquiteto Renato Andrade.

4. Maximalismo



"Ele voltou pra ficar. O maximalismo na decoração significa uma explosão de combinações e carrega muita ousadia e singularidade em seu design, por isso vem fazendo tanto sucesso", conta a designer de interiores da Infinity Spaces. Porém, não se pode deixar levar pela aval para deixar o ambiente mais carregado. "É necessário ter um consenso e cuidados básicos, como sempre pensar na circulação, na organização e se a disposição faz sentindo", alerta Giseli.

Os profissionais do escritório Andrade & Mello Arquitetura concordam com a volta do estilo, porém não acreditam que ele entra para substituir seu antagonista, o minimalismo. "Tudo é uma questão da composição do espaço e tem muita relação à personalidade da pessoa. No nosso ponto de vista, ainda que seja trabalhado cores e contrastes com paletas diferentes, é necessário ter um lado artístico e mais apurado para conseguir fazer isso sem que fique extravagante", opina Erika.

5. Estilo hipster



Para Isadora Araújo, arquiteta do Panapaná Estúdio de Projetos, o estilo é definido como um "maximalismo mais contido". Segundo a profissional, o movimento hipster está na preferência por marcas autorais, brechós e feirinhas. Entram, então, no jogo da decoração malas vintage, terrários, crochês, bicicletas na parede, mesas e estantes de livros, efeitos de pintura nas paredes, cadeiras de balanço, letreiros em neon e carrinhos de chá.

6. Artesanato



Fazendo coro como o estilo hipster e com o maximalismo, é a vez do artesanato. "Quando trabalhamos com itens mais orgânicos ou que se afastam das coisas mecanizadas e industrializadas, de certa forma nos aproximamos do maximalismo", explica Erika.  "Quando voltamos para as cestarias, começamos a dar valor para essas coisas feitas à mão", completa.

7. Mobiliário curvo



Típicos da decoração midcentury, os mobiliários curvos vieram para dar um formato mais orgânico às peças decorativas. Porém, para aplicar essa tendência, é preciso de cuidado com a proporção. "O mobiliário com formas orgânicas se torna mais arriscado porque, além do design mais ousado, ele ocupa mais o espaço do que um móvel com linhas retas. A dica para quem tem espaço limitado é investir em itens com dimensões menores e que não interfiram na circulação, como mesa de centro, poltronaluminárias ou esculturas", detalha Edgar.

8. Design Sustentável



"Este ano será marcado pela saída do convencional e entrada de uma decoração criativa, alegre e, sobretudo, sustentável. Também acredito que a decoração empregará, cada vez mais, materiais naturais como pedra, bambu, madeira, barro, cerâmica, palha e vime", detalha Giseli. Ela afirma que está cada vez mais comum encontrar tetos com revestimentos de madeira e móveis que utilizam materiais reciclados. 

9. Visual criativo e design sensorial