Manifestações pró-Bolsonaro em Cascavel passam do 20° dia

Mais de 500 mil pessoas seguem em protestos no município

Por Redação 26/11/2022 - 08:20 hs
Foto: Divulgação
Manifestações pró-Bolsonaro em Cascavel passam do 20° dia
manifestantes seguem realizando protestos em frente ao 33° Batalhão de Infantaria Mecanizada.

Insatisfeitos com o resultado do segundo turno das eleições de 2022, em que Luiz Inácio Lula da Silva (PT) foi eleito para assumir a presidência do Brasil em 2023, manifestantes seguem realizando protestos em frente ao 33° Batalhão de Infantaria Mecanizada de Cascavel. As manifestações pró-Bolsonaro já passaram do 20° dia e mais de 500 mil pessoas do município e de outros estados seguem com as ações.



Segundo Aléssio Oliveira, um dos manifestantes, as ações completaram 22 dias nesta terça-feira (22), e eles seguem no local, alguns até acampados, com o apoio de empresários do município. “Todos os dias recebemos doações de alimentos de empresários e voluntários da nossa cidade em apoio às nossas reivindicações”, afirmou. 


De acordo com o apoiador, as manifestações são pacíficas e eles buscam por respostas sobre uma possível fraude na contagem das urnas nas eleições. “Lembrando que nossas manifestações são pacíficas e ordeiras e que, até hoje, não consta nenhum tipo de incidente. O que está sendo questionado é o resultado das eleições, em que se questiona a fraude de mais de 250 mil urnas,  fraude levantada até mesmo pelo próprio presidente do partido PL. Não aceitamos entregar a nossa nação para um criminoso, julgado, condenado, que foi solto para disputar as eleições e está cantando vitória por meio de forma ilícita e desleal, como vem demonstrado diversos relatórios das irregularidades das urnas”, disse Aléssio.


O movimento espalhado pelo País ganhou caráter de vigília na frente de quartéis e tiros de guerra, com a aglomeração de centenas de manifestantes. Aléssio completa dizendo que os manifestantes de Cascavel seguirão em protestos por tempo indeterminado. “Ficaremos por aqui por tempo indeterminado ou até tivermos informações plausíveis. Lembrando que não estamos pedindo intervenção federal e nem militar, o que queremos é que as forças armadas, já que participaram através de convite do STE, que fiscalize e prove que houve fraude nas eleições”, finalizou.