Presidente da Caixa cai por assédio a mulheres

Por Canal Meio 30/06/2022 - 08:37 hs

Um dia depois de o colunista Rodrigo Rangel revelar que o presidente da Caixa Econômica Federal (CEF), Pedro Guimarães, era investigado por denúncias de assédio sexual a funcionárias, o Palácio do Planalto anunciou ontem sua substituição por Daniella Marques, secretária de Produtividade e Competitividade do Ministério da Economia e tida como ‘braço direito’ do ministro Paulo Guedes. A demissão não foi tão sumária quando queria a ala política do governo, preocupada com o impacto das denúncias na campanha eleitoral. Guimarães, que estava à frente do banco desde 2019 e era um dos colaboradores mais próximos de Jair Bolsonaro, chegou a se reunir duas vezes com o presidente, na noite de terça-feira, quando a denúncia se tornou pública, e na manhã de ontem. À tarde, ele entregou sua carta de demissão, negando as acusações. (Metrópoles)

Guimarães bem que tentou aparentar normalidade. Pela manhã, participou da cerimônia de lançamento do Plano Safra 2022/23 acompanhado da mulher, a quem citou no discurso, sem mencionar as denúncias. “São quase 20 anos juntos, dois filhos, e uma vida inteira pautada pela ética”, disse. (Yahoo!)

Então... Segundo a jornalista Ana Flor, o comando da CEF não apenas sabia das acusações de assédio contra o presidente, como trabalhou para acobertá-las. Funcionárias que aceitavam não levar o caso adiante recebiam promoções em troca do silêncio. (g1)

Por essas e outras, a expectativa é que Daniella Marques afaste todos ou pelo menos os nomes mais importantes do núcleo duro montado por Guimarães no banco para blindá-lo de denúncias. O grupo envolveria três vice-presidentes, três assessores e a chefe de gabinete dele. (CNN Brasil)

Bela Megale: “Em menos de uma semana, Bolsonaro viu dois expoentes de seu governo e de suas bandeiras ideológicas – Milton Ribeiro e Pedro Guimarães – protagonizarem crises com potencial explosivo para sua campanha. A questão ideológica que ajudou Bolsonaro a se eleger em 2018 e que marca a gestão do presidente desponta hoje como um dos focos de maior desgaste em seus planos de reeleição.” (Globo)

A oposição está furiosa com a iniciativa do presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), de incluir na CPI para investigar acusações de corrupção e tráfico de influência no MEC um pedido de governista para apurar obras inacabadas em governos do PT. “Há uma intenção nisso, claramente, de tumulto. Em princípio nós somos avessos à ideia de juntar, mas nos submetemos ao despacho do presidente do Senado”, disse o líder da Oposição, Randolfe Rodrigues (Rede-AP), autor do requerimento da CPI. (Estadão)

A decisão final sobre a instalação da CPI será tomada, segundo Pacheco, na próxima terça-feira, após a reunião de líderes no Senado. (g1)

Pois é... A prisão do ex-ministro Milton Ribeiro e dos pastores Arilton Moura e Gilmar Santos, acusados de montar um gabinete paralelo para cobrança de propina no MEC, fez Jair Bolsonaro mudar o discurso sobre a inexistência de corrupção em seu governo. Ontem, em evento da Confederação Nacional da Indústria (CNI), o presidente admitiu que ela existe, mas em “casos isolados”. “Não temos nenhuma corrupção endêmica no governo, tem casos isolados que pipocam, e a gente busca solução para isso”, afirmou. (Poder360)

Por 4 votos a 1, a 8ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo manteve a condenação do presidente Jair Bolsonaro (PL) por ofensas à honra da repórter da Folha de S.Paulo Patrícia Campos Mello e elevou a R$ 35 mil a multa devida à jornalista. Em fevereiro de 2020, Bolsonaro fez comentários de cunho sexual sobre Patrícia usando a expressão “furo”, que significa notícia exclusiva no jargão jornalístico, insinuando que ela teria oferecido sexo em troca de informação. No Twitter, a jornalista comemorou a decisão, dizendo ser “uma vitória de todas nós mulheres”. (Folha)

Bolsonaro não foi o único de seu grupo a perder nos tribunais ontem, como conta Mônica Bergamo. A deputada Carla Zambelli (PL-SP) foi condenada a indenizar a líder do PSOL na Câmara, Sâmia Bomfim (SP), e a deputada Talíria Petrone (PSOL-RJ) por retratá-las como demônios e associá-las à expressão “esquerda genocida” em uma publicação contra o aborto. Zambelli terá de pagar R$ 30 mil a cada uma, mas ainda pode recorrer da decisão. (Folha)

Fundadora e líder da Rede Sustentabilidade, a ex-ministra do Meio Ambiente Marina Silva anunciou ontem que vai se lançar candidata a deputada federal por São Paulo este ano. Com esse movimento, além de se colocar como puxadora de votos da legenda, ela fecha a porta à iniciativa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) de fazê-la candidata a vice-governadora na chapa do ex-prefeito Fernando Haddad. (g1)

Enquanto uma CPI nos EUA expõe a ingerência do ex-presidente Donald Trump sobre a invasão do Capitólio em 6 de janeiro de 2021, o senador Flávio Bolsonaro (PL-RJ), filho Zero Um do presidente, alega por aqui que o pai não planeja estimular um levante, embora não diga se ele reconhecerá uma eventual derrota. Ao mesmo tempo, ele busca isentar previamente o governo de responsabilidade por eventuais incidentes. “Como a gente tem controle sobre isso?”, indaga. (Estadão)

Quando duas correntes políticas perdem a capacidade de conversar, a democracia se vê ameaçada. Quando não há mais fontes de informação que não tendam para um lado ou para o outro, a ameaça se agrava. O Meio é crítico — e sempre será, não importa qual governo ou qual a oposição. Investir em jornalismo é uma aposta na democracia.

Tech no próximo nível

Como será o futuro da indústria 4.0? A chegada do 5G aliada ao avanço de tecnologias como internet das coisas (IoT) e inteligência artificial (AI) deve promover transformações profundas nas fábricas. Uma das principais tendências é o aumento da produtividade, com profissionais atuando mais em áreas estratégicas e de alta performance e menos em tarefas repetitivas. Até 2026, a expectativa é que esse mercado movimente US$ 220 bilhões, quase o triplo do registrado em 2020. Entenda como a automação inteligente vai ampliar a competitividade das fábricas e revolucionar a indústria 4.0.

Por falar em automação e indústria, uma startup com sede na Califórnia, a Robust.AI, desenvolveu um robô móvel projetado para trabalhar em armazéns. O robô, chamado de Carter, é capaz de ler a linguagem corporal humana ao seu redor e identificar a melhor maneira de ajudar o trabalhador na fábrica. Movimentando-se de forma autônoma, o robô pode, por exemplo, seguir o funcionário enquanto carrega objetos. (Wired)

Outro robô autônomo que desempenha função semelhante é o Proteus, da Amazon. A tecnologia se movimenta por conta própria pelas instalações dos armazéns da companhia enquanto transporta carrinhos cheios de pacotes. (UOL)

Talvez você ainda não tenha ouvido falar do termo AgriFoodTech, mas o volume de investimentos nos últimos anos aponta que esse mercado é uma das apostas para o futuro entre as startups de alimentos. Só na Europa, o setor passou de US$ 3,4 bilhões em 2020 para US$ 9,2 bilhões em 2021. Com expressivo crescimento de 1300% ano a ano, o mercado de AgriFoodTech abrange empresas de e-Grocery, com foco nas entregas e marketplaces de alimentos, entre outras. (Fast Company Brasil)

Viver

A Polícia Rodoviária Federal retirou sigilo de 100 anos sobre o histórico de processos administrativos dos agentes envolvidos na morte de Genivaldo de Jesus Santos em Umbaúba, no Sergipe, mês passado. Durante uma abordagem ele foi colocado na caçamba de uma viatura, na qual um policial jogou uma bomba de gás, e morreu asfixiado. Dos cinco agentes envolvidos, apenas um tem processos concluídos pela corporação. A Corregedoria-Geral da PRF havia imposto sigilo alegando que as informações sobre os servidores eram pessoais. O Ministério Público Federal investiga se a corporação impõe obstáculos para fornecer informações de interesse público sobre policiais. (Metrópoles)

Dois estudos divulgados nesta semana trazem novas informações sobre a covid longa, nome dado quando os sintomas relacionados à doença persistem mesmo após o período de infecção. Pesquisadores do Reino Unido concluíram que mulheres, pessoas entre 50 e 60 anos, com histórico de fragilidade na saúde, obesas e com asma têm maior risco de desenvolver o quadro. Cientistas do Canadá descobriram a causa dos problemas respiratórios e da fadiga persistente nesses pacientes. Utilizando imagens de ressonâncias magnéticas e tomografias, eles observaram anormalidades microscópicas no transporte do oxigênio para os glóbulos vermelhos do sangue, responsáveis por levar o gás para o corpo. (O Globo)

Panelinha no Meio. Com a vida pela hora da morte, o porco se tornou uma das opções de proteína mais em conta. Mas atenção na hora do preparo. Nada de deixar a carne seca e sem graça. Nesta receita de bisteca com molho de limão, damos dicas de como deixá-la suculenta e com sabor para todos os lados.

Cultura 

Esta é uma daquelas semanas em que os filmes nacionais brilham nas estreias. Em As Verdades (trailer), de José Eduardo Belmonte, Lázaro Ramos vive Josué, um policial diante das diferentes versões para um crime. Gilson Vargas dirige A Colmeia (trailer), retratando os conflitos de uma comunidade de alemães no interior da Região Sul tentando manter seu isolamento. Na fantasia Carro Rei (trailer), de Renata Pinheiro, Uno é um rapaz que fala com os automóveis, banidos pelo governo. Tudo bem, tudo bem. Hoje também é dia de reencontrar os minions (os legais e divertidos, claro). Minions 2 — A Origem de Gru (trailer) revela como nosso malvado favorito ganhou seus ajudantes amarelos.

Confira a programação dos cinemas na sua cidade. (Adoro Cinema)

pós um hiato de três anos devido à pandemia, o Prêmio da Música Brasileira promete voltar em abril do ano que vem como mais que um reconhecimento a quem já é consagrado. José Maurício Machline, que criou o PMB há 30 anos, pretende agregar a ele um programa de fomento para artistas. O prêmio vai ser mais inclusivo, com a entrada do rapper Emicida em seu conselho e a fusão das categorias “melhor cantor” e “melhor cantora” na nova “melhor intérprete”. (Globo)

Para ler com calma. Em 1991, aos 11 anos de idade, Christina Ricci já era uma grande atriz, a melhor de sua geração, como comprovam a meiguice fofa de Kate Flax em Minha Mãe É Uma Sereia e a morbidez fofa de Wandinha Addams em Família Addams. Entre adolescente e jovem adulta, teve papéis importantes em filmes como Monster e Prozac Nation, mas quando deveria se consolidar como estrela, descobriu que Hollywood queria mocinhas de beleza comportada e atitude simpática. Nuca deixou de trabalhar, é verdade, mas só agora, aos 42 anos, volta a ter papéis a sua altura, como a sombria enfermeira Misty Quigley da série Yellowjackets (trailer), da Showtime/Paramount+. (Estadão)

Cotidiano Digital 

O aplicativo de rede social Snapchat lançou ontem um plano de assinatura paga com recursos exclusivos aos usuários. A versão premium Snapchat Plus custa US$ 3,99 por mês (cerca de R$ 21 na cotação atual) e também permitirá que os pagantes vejam quem assistiu por mais de uma vez a um story e fixar um amigo no topo do histórico do chat. A novidade foi lançada em alguns mercados específicos, como Estados Unidos, Reino Unido, França, Alemanha e Arábia Saudita. Por enquanto, não há expectativa de lançamento no Brasil. (The Verge)

A Tesla, fabricante de veículos elétricos do bilionário Elon Musk, fechou um escritório em San Mateo, na Califórnia, Estados Unidos, e demitiu 200 funcionários que trabalhavam no projeto Autopilot. O escritório, que contava com 350 trabalhadores até então, fazia rotulagem de dados e avaliações de carros de clientes com piloto automático e outros tipos de assistência ao motorista. O restante da equipe teria sido transferida para instalações da empresa próximas da região. Vale lembrar que rumores sobre demissões na Tesla já circulavam há algum tempo. Recentemente, Musk afirmou que precisaria cortar 10% dos funcionários da montadora por conta do cenário econômico. (CNBC)