Empreendedorismo feminino e as mulheres negras

Por Rede Mulheres Empreendedoras 22/11/2022 - 16:56 hs

Imagine seu corpo do lado interno. Visualize seus órgãos, seu cérebro, seu coração, e seu sangue. Não existe nada que seja anatomicamente diferente dos outros seres humanos, exceto quem sofre com comorbidades pontuais de nascimento, acidentes ou doenças.

Muitas vezes me pergunto: por que vivemos em um mundo que ainda existem pessoas que praticam o preconceito e a discriminação por conta do tom de pele diferente?

É inaceitável e fora de lógica, pois nossa capacidade intelectual depende da forma como dedicamos nossa vida a estudar, se relacionar e evoluir.

Compartilho hoje um relato da Tatiane Moraes, empreendedora negra que viveu momentos indescritíveis e hoje está tendo a oportunidade de inspirar mulheres negras a empreender também:

 

Ser mulher empreendedora e negra na prática não é nada fácil!


Eu me chamo Tatiane, sou mulher, negra, empreendedora, esposa e filha que precisa dar um passo de cada vez no dia a dia. Por mais que a sociedade se diz evoluída contra o preconceito, ele ainda é uma grande barreira na vida de pessoas negras, principalmente da mulher negra que luta por um espaço na sociedade.


Na região em que nasci e que ainda moro, o preconceito ainda é grande. No passado, eu me sentia reprimida e com medo de dar um passo a mais devido ao julgamento e aceitações na vida profissional e isso era um fator gritante. Em uma empresa, percebi que outras pessoas, às vezes até sem capacitação, eram promovidas enquanto eu não, mas por onde passei sempre me dediquei muito para que as pessoas não vissem uma mulher negra trabalhando e sim uma profissional qualificada e dedicada.


Em um episódio, ouvi uma chefe falando para a dona da empresa que eu não tinha importância e que poderia falar o que quisesse para mim!


Foram inúmeras e inúmeras vezes que senti na pele o preconceito racial.


Percebi que se eu quisesse realmente crescer profissionalmente, expor meu potencial, teria que empreender, criar meu próprio negócio. E mesmo assim, como todos que iniciam algum negócio, tive as dificuldades naturais de percurso – as quais superei – e o preconceito, este ainda insistente no dia a dia me deixava com minha auto estima sempre baixa, desconfiante e sentindo sem importância alguma. Mas me dei conta que eu não precisava buscar importância fora e sim dentro de mim, o reconhecimento de todo o meu potencial tinha que partir de mim e sim, que sou capaz de superar e conquistar tudo o que sonhei, mesmo não precisando provar nada a alguém, as pessoas veriam meu potencial, inclusive as que duvidaram de mim!


Em 2018, resolvi me desligar da empresa onde trabalhei por cinco anos, para poder empreender. A mudança foi radical, passei de analista de Recursos Humanos para confeiteira artística. Desde então eu não parei mais e só evolui como ser humano e profissional, buscando sempre mais conhecimento para atender além das expectativas e descobrindo cada vez mais o meu potencial e a determinação que tenho de sempre buscar o melhor, independente das adversidades da vida.


Hoje não trabalho mais com a confeitaria devido desenvolver alergia ao contato com o açúcar e ao chocolate, porém, não deixei de empreender. Parti para o ramo do empoderamento, bem-estar e da qualidade de vida da mulher. Nesta trajetória vejo que as mulheres negras e brancas não devem ficar escondidas atrás do medo de serem julgadas e aceitas.


Quando a Mulher sonhar com algo, ela deve correr atrás dos seus sonhos, e acima de tudo olhar para dentro de si, se valorizar e nunca, jamais desistir.

Mas para que tudo isso seja realidade, você precisa dar o primeiro passo. Meu dilema é "só vai".

Você que nos acompanha: torne seu ambiente mais harmonioso, ajude implantar cada dia mais o amor aos seres humanos, independente de qualquer coisa, o amor quebra barreiras e torna a vida mais leve. 

A Rede Mulheres Empreendedoras Official, é um ambiente seguro em que prevalece o respeito à individualidade de cada mulher. Conte conosco sempre!

O dia 20 de novembro faz menção à consciência negra, a fim de ressaltar as dificuldades que os negros passam há séculos. 


- Ana Bieger e Fran Donazzolo são fundadoras da Rede Mulheres Empreendedoras Official que tem como objetivo conectar e transformar a vida das mulheres de Cascavel e região.


Para saber mais siga @mulheresempreendedorasofficial